Acidentes por Abelhas
Prevenção
Acidentes por Abelhas

Abelhas são insetos da ordem Hymenoptera, assim como as vespas e as formigas. Algumas espécies são conhecidas por produzirem o mel e viverem em colônias ditas eussociais, com uma organização hierárquica com uma rainha fértil, alguns machos férteis (zangões) e milhares de operárias fêmeas (inférteis). Estas são as características da maioria das abelhas produtoras de mel, embora a grande maioria delas não o seja, vivendo até mesmo como animais solitários. Abelhas vivem em todos os continentes, exceto o Antártico e são componentes importantes de diversos ecossistemas, desempenhando o papel de polinizadoras. O mel produzido nas colmeias é utilizado na alimentação da própria colônia. As abelhas operárias são as responsáveis pela defesa da colônia. Ao picar, elas perdem parte do aparato inoculador, morrendo em seguida. Este aparato possui músculos próprios e continuam injetando a peçonha mesmo após a separação do resto do corpo. As mamangavas ou mamangabas, que são abelhas das subfamílias Bombinae e Euglossinae, não perdem o ferrão podendo ferroar várias vezes. As abelhas da subfamília Meliponinae, conhecidas como abelhas sem ferrão, embora possuam este aparato, não causam acidentes por picadas, mas podem produzir mel tóxico.
Descrição do agravo
Acidente por abelha é o quadro de envenenamento decorrente da inoculação de toxinas através do aparelho inoculador (ferrão) de abelhas. Conhece-se, atualmente, cerca de 20.000 espécies diferentes. Na década de 50, após um acidente em um laboratório de pesquisa, abelhas africanas trazidas para o Brasil foram libertadas na natureza e rapidamente se alastraram, sendo descendentes destas encontradas atualmente até nos Estados Unidos, onde são conhecidas como killer-bees (abelhas assassinas). As abelhas ditas africanizadas, ou seja, mestiças da abelha africana (Apismelliferascutellata) com européias (Apismelliferamellifera,ApismelliferacaucasicaApismelliferacarnica e Apismelliferaligustica, sendo esta última a principal), são responsáveis por muitos relatos de acidentes. Estas são mais agressivas do que as européias, o que torna o seu manejo mais difícil. Entre os 5 principais tipos de acidentes por animais peçonhentos (ofidismo, araneísmo, escorpionismo, erucismo e por abelha) o acidente por abelhas é o único que não tem um soro específico para o tratamento no Brasil, porém há estudos acerca de sua produção.
Abelhas formam sociedades em que existe apenas uma rainha, vários zangões e operárias, sendo estas últimas as responsáveis pelas picadas. Coloridos, odores e sons as irritam facilmente. Próximas a um enxame, as primeiras abelhas, ao picar, liberam um feromônio que faz com que outras ataquem o mesmo alvo podendo ocasionar acidente com centenas de picadas.
O aparelho inoculador dos himenópteros sociais (abelhas, vespas e formigas) exerce um papel essencial no mecanismo de defesa de suas colônias. A picada consiste na injeção de veneno com objetivo de causar dor e desconforto físico a seus agressores ou intrusos, percebidos como ameaça à integridade de suas colmeias. Esses venenos são misturas complexas de aminas biogênicas, peptídeos e enzimas, com diversas atividades farmacológicas e alergênicas.
O quadro de intoxicação varia pela quantidade de veneno aplicado e pela susceptibilidade em relação a uma reação alérgica ao veneno. Um indivíduo por ser picado por uma a milhares de abelhas. No caso de poucas picadas, o quadro clínico pode variar de uma inflamação local até uma forte reação alérgica (choque anafilático). No caso de múltiplas picadas pode ocorrer uma manifestação tóxica mais grave e, às vezes, até mesmo fatal.
Informações gerais sobre o agravo
1. O que é?
O acidente por abelhas é o quadro decorrente da inoculação do veneno introduzido no organismo pelo ferrão presente no abdômen da abelha.
2. Quais os agentes envolvidos?
Abelhas são insetos alados da ordem Hymenoptera. Estima-se a existência de mais de 20.000 espécies, algumas vivendo de forma solitária e outras em colônias. As abelhas possuem um aparato na porção final do seu abdômen capaz de inocular veneno em suas vítimas. Este é composto por um ferrão e um saco de veneno. Uma vez picado, o aparato se separa do corpo da abelha (autotomia), que morre logo em seguida, e, por possuir musculatura e gânglios próprios, continua injetando veneno. Nem todas as abelhas são capazes de injetar a peçonha.
3. Quais os sintomas?
As manifestações clínicas podem ser de naturezas tóxicas e alérgicas. As reações tóxicas locais decorrentes da picada de abelhas estão associadas à dor, edema e eritema. Em casos de múltiplas picadas, podem ocorrer manifestações sistêmicas, devido à grande quantidade de veneno inoculada. Nesse caso, os sintomas são prurido, rubor, calor generalizado, pápulas, placas urticariformes, hipotensão, taquicardia, cefaléia, náuseas e/ou vômitos, cólicas abdominais e broncoespasmos. Em casos mais graves pode ocorrer choque, insuficiência respiratória aguda, rabdomiólise e insuficiência renal aguda.
As manifestações alérgicas locais são caracterizadas por um edema que persiste por alguns dias. As reações alérgicas sistêmicas podem variar de urticária generalizada e mal-estar até edema de glote, broncoespasmos, choque anafilático, queda da pressão arterial, colapso, perda da consciência, incontinência urinária e fecal e cianose.
4. Quais os primeiros socorros em caso de acidente?
Não realizar procedimentos caseiros e procurar, imediatamente, o serviço de saúde local para encaminhamento à Unidade de Atendimento de Acidentes por Animais Peçonhentos do município ou do estado.
A remoção dos ferrões pode ser feita raspando-se com lâminas, evitando-se retirá-los com pinças, pois estas podem provocar a compressão dos reservatórios de veneno, o que resulta na inoculação do veneno ainda existente no ferrão. Após 2 minutos do acidente, todo o veneno presente na glândula já foi inoculado, sendo irrelevante a forma como o ferrão é retirado da vítima.
5. Como tratar?
Caso o acidente tenha sido causado por múltiplas picadas, levar o acidentado o mais brevemente possível para um posto de saúde. Se possível remover os ferrões que ficaram presos à pele e usar compressas de água fria para aliviar a dor. Não há soroterapia para o caso de acidentes por abelhas e o tratamento é sintomático.
6. Como se prevenir?
O risco de acidente pode ser reduzido seguindo-se recomendações simples. Tanto abelhas como marimbondos são atraídos por sons, odores e cores, portanto:
•          Sons de motores de aparelhos de jardinagem, por exemplo, exercem extrema irritação em abelhas. O mesmo ocorrendo com som de motores de popa;
•          No campo, o trabalhador deve atentar para a presença de abelhas, principalmente no momento de arar a terra com tratores;
•          Cores berrantes em geral, e odores, exercem alta atração sobre esses animais. Desta forma, em regiões com alta atividade de abelhas, evitá-los constitui boa prevenção dos acidentes;
As retiradas de colmeias devem ser feitas preferencialmente à noite ou ao entardecer, quando os insetos estão calmos, com roupa protetora e, principalmente, por profissional competente; evitar caminhar e correr na rota de vôo percorrida pelas vespas e abelhas.
 
Fonte: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/index.cfm?portal=pagina.visualizarTexto&codConteudo=5848&codModuloArea=783&chamada=acidentes-por-abelhas

prev
next

Leave a Comment