Picada de aranha, o que fazer?

Aranhas

Acidentes causados por aranhas são comuns, porém a maioria não apresenta repercussão clínica.  Os gêneros de importância em saúde pública no Brasil são:Loxosceles (aranha-marrom), Phoneutria (aranha armadeira ou macaca) e Latrodectus (viúva-negra). Entre essas, a maior causadora de acidentes é a Loxosceles. Acidentes causados por outras aranhas podem ser comuns, porém sem relevância em saúde pública, sendo que os principais grupos pertencem, principalmente, às aranhas que vivem nas casas ou suas proximidades, como caranguejeiras e aranhas de grama ou jardim.

Aranhas são animais invertebrados pertencentes à ordem Araneae. São caracterizadas por possuírem um exoesqueleto de quitina, onde a cabeça e o tórax são fundidos (cefalotórax ou prossoma) e de onde saem quatro pares de patas, um par de pedipalpos, que funcionam como órgão sensorial, e um par de quelíceras, onde fica situado o ferrão. As fiandeiras, órgão capaz de produzir a seda, estão situadas no abdômen (opistossoma). Araneísmo é o nome atribuído aos acidentes com aranhas. Quase todas as aranhas, com exceção de duas famílias, produzem e armazenam secreção nas suas glândulas de veneno.

Cuidados

Se prevenir das picadas dos animais peçonhentos é preciso, assim como os primeiros socorros se caso for picado por alguma aranha.

Por mais que a maioria da população resida em cidades, é difícil não encontrar algum tipo de animal peçonhento nas redondezas, principalmente quando se mora perto de áreas verdes. Por isso, os cuidados são essenciais para que em caso depicadas, o veneno não cause problemas mais sérios de saúde.

Entre os animais peçonhentos estão os escorpiões, abelhas, vespas, marimbondos, carrapatos e aranhas. As aranhas são os animais mais encontrados nas casas, por isso, conheça quais são os sintomas e como proceder nos primeiro socorros:

Sintomas mais frequentes

Entre os sintomas mais frequentes de uma picada de aranha estão: dor intensa no local, salivação excessiva, tremores, náuseas, sudorese, confusão mental, dores musculares, excitação, angústia, rigidez muscular, ardência, coceira, vermelhidão, irritação na pele, agitação, vômito, fraqueza, tontura, cefaleia, edema nas pálpebras, erupção cutânea, pus, problemas na respiração, calafrios, fadiga, náuseas, mal estar, urina escura, febre e se não tratado rapidamente com o soro, o veneno pode se espalhar e formar edemas e a necrose do tecido.

Primeiros socorros

Seja qual for à espécie de aranha envolvida na picada, é preciso seguir os primeiros socorros como: não amarrar e apertar o local, manter a vítima deitada e levá-la imediatamente ao hospital. Se possível, leve o animal que causou a picada para dar o soro antiofídico correto.

Tratamento

No tratamento para as picadas de aranhas é feito a administração de um antídoto fabricado a partir do veneno do animal, ou seja, um soro antiofídico que serve para neutralizar os efeitos da toxina. Além disso, é feita a hospitalização do indivíduo no caso de dificuldade para respirar, dor intensa nos músculos e pressão alta. As picadas formam feridas difíceis de serem tratadas, por isso, usa-se água oxigenada embebidas em algodão durante 3 vezes por dia para limpar a ferida e remover o tecido morto.

Muitos hospitais no Brasil possuem os soros antiofídicos de várias espécies de animais peçonhentos em casos de picadas.

Aspectos ambientais

Apesar das aranhas serem encontradas no peri e intradomicílio, o controle com inseticidas não é recomendado pois a irritação causada pelo produto químico pode desalojar os animais de seus abrigos, aumentando o risco de acidente.

Fontes: http://www.zun.com.br/picada-de-aranha-o-que-fazer/

http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/index.cfm?portal=pagina.visualizarTexto&codConteudo=5819&codModuloArea=783&chamada=acidentes-por-aranhas