OMS descarta cancelar, adiar ou mudar sede da Olimpíada por zika

OMS descarta cancelar, adiar ou mudar sede da Olimpíada por zika
Controle de Pragas
OMS descarta cancelar, adiar ou mudar sede da Olimpíada por zika

por André de Souza

BRASÍLIA – O Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS) reagiram à carta aberta assinada por 150 cientistas propondo o adiamento ou até a mudança da sede da Olimpíada do Rio de Janeiro em razão dos casos de zika no Brasil. O vírus é o responsável pela epidemia de microcefalia, que atinge principalmente o Nordeste e faz com que os bebês nasçam com a cabeça menor que o normal.
O Ministério da Saúde destacou que a doença está presente em 60 países e que o Brasil responde por apenas 15% das pessoas expostas ao vírus. Informou ainda que os Jogos Olímpicos serão realizados em agosto, período em que há uma diminuição na transmissão de doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti, como dengue, zika e chicungunha.
“Em 2015, por exemplo, agosto foi o mês com menor incidência de casos de dengue no país. Outro ponto a ser considerado é o fato da Organização Mundial da Saúde (OMS) não ter feito nenhuma recomendação para restrição de viagens, exceto às grávidas. Em audiência ao ministro da saúde, Ricardo Barros, durante Assembleia Mundial da Saúde, a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, já confirmou que virá aos jogos Olímpico, o que deve ser interpretado como um simbolismo da segurança deste período de baixa a transmissão do vírus Zika”, informou o Ministério da Saúde em nota. A pasta também ressaltou que o Brasil está preparado para realizar o evento e garantir a segurança e tranquilidade necessárias para os atletas e público. Para isso, orçamento para ações de vigilância, prevenção e controle de doenças transmitidas pelo mosquito passou de R$ 1,29 bilhão em 2015 para R$ 1,87 bilhão este ano. Destacou também que, só no Rio, foram contratados 3 mil agentes externos de saúde para combate ao Aedes aegypti. Além disso, 2.500 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros e outros, reforçarão o atendimento nos hospitais federais do Rio. Também serão abertos 130 novos leitos nessas unidades. Por fim, 146 ambulâncias estarão à disposição da população durante os Jogos Olímpicos.
Em nota, a OMS informou que cancelar, adiar ou mudar o local de realização do evento “não vai alterar significativamente a propagação internacional do vírus zika”. Isso porque, o Brasil é apenas um dos locais onde há transmissão de zika e “pessoas continuam a viajar entre esses países e territórios por diversas razões”. Segundo a OMS, a melhor forma de reduzir os riscos é seguindo suas recomendações, o que inclui orientação às grávidas para não viajar ao Rio.Para os atletas e turistas no Brasil, as recomendações são: usar repelente; vestir roupas que cubram ao máximo o corpo; procurar ambientes com ar condicionado, onde janelas e portas fiquem fechados; se abster ou praticar sexo seguro, uma vez que o vírus pode ser transmitido dessa forma; evitar áreas sem água encanada ou com saneamento deficiente.
Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/esportes/oms-descarta-cancelar-adiar-ou-mudar-sede-da-olimpiada-por-zika-19389689#ixzz4C2TnYBOY
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

prev
next